Jovem filma pai agredindo a irmã de nove anos após ela dizer que estava ‘gostando de uma amiga’

O irmão da vítima relatou nas redes sociais que passou pela mesma situação por “ser gay”.

Imagens fortes: Homem negro é espancado até a morte em supermercado de Porto Alegre

As imagens da agressão foram gravadas e circulam nas redes sociais.

Tailândia saiu da lista dos municípios mais violentos do estado

No geral, de acordo com a SEGUP, Tailândia está entre as 17 cidades menos violentas do Pará.

Mulher bate em namorado e é levada à delegacia em Marabá

Mulher acertou soco no olho do companheiro, que acionou as autoridades para contê-la.

Pará é o Estado que mais reduziu a violência em todo o Brasil

Dados divulgados no domingo, 18, pelo Anuário Brasileiro de Segurança Pública do Fórum Brasileiro de Segurança Pública aponta o Pará como o Estado que mais diminuiu as ocorrências de violência em números absolutos.

Tailândia: das páginas negativas da polícia à referência no combate a violência no Pará

Em 61% dos municípios do Pará a taxa de criminalidade caiu.

Menino de 4 anos que morreu após agressões teve fígado rompido, diz perícia

O menino estava sob responsabilidade da madrasta, única suspeita do crime. A perícia identificou que a criança sofria agressões também há cerca de um mês.

Pará tem aumento de 46,4% nos registros de lesão corporal contra a mulher

Os assassinatos de mulheres sobem no 1º semestre no Brasil

Polícia registra três casos de violência contra mulher num único dia em Marabá

Os PMs flagraram um dos acusado na porta da casa ameaçando matar o filho da vítima. Nas três ocorrências, agressores estavam embriagados

Centro de Atendimento a Mulher em Situação de Violência passa a funcionar em Tailândia

O Centro foi criado como objetivo unificar e reforçar as medidas de enfrentamento a violência contra a mulher no município, além de resguardar as vítimas.

Protocolo retira prazo de 48h para comunicar desaparecimento de mulher

Os casos de feminicídio cresceram 22,2% entre março e abril deste ano comparado ao ano passado. Segundo a ministra Damares, isso é resultado do confinamento “do agressor e vítima”, por conta da pandemia.